Top 5 Objetos do Céu Profundo de Novembro

~3 min
Top 5 Objetos do Céu Profundo de Novembro

Se alguma vez desejou avançar com as suas observações astronómicas e mergulhar no fascinante mundo dos objetos de céu profundo, agora é uma ótima altura para começar. Para o artigo de hoje, escolhemos 5 dos mais espetaculares objetos do céu profundo que pode ver em novembro. Vamos a isso!

O que é um objeto do céu profundo?

O termo "objeto do céu profundo" (DSO) é utilizado principalmente por astrónomos amadores para designar objetos astronómicos fora do Sistema Solar que não são estrelas individuais. Os DSO incluem galáxias, nebulosas planetárias, e aglomerados de estrelas.

Os DSOs são objetos fascinantes, mas são geralmente postos de lado por astrónomos amadores, pois podem ser um verdadeiro desafio para observar, mesmo com grandes telescópios. Felizmente, já não é um problema, graças a um novo telescópio inteligente dos nossos amigos da Unistellar! O seu eVcope torna a observação de DSOs rápida e fácil, e permite vistas de DSO com cores vivas e detalhes ricos. Os utilizadores da Star Walk podem saber mais sobre o eVcope e comprar o telescópio aqui.

1. Galáxia Triangular

A primeira da nossa lista é a Galáxia Triangular, catalogada como M33 ou NGC 598. A galáxia em si é em forma de espiral, contudo o seu nome deriva da constelação em forma de triângulo onde pode ser encontrada. É o terceiro maior membro do chamado Grupo Local de galáxias, seguindo a Galáxia de Andrómeda e a Via Láctea. O Triângulo tem cerca de metade do tamanho da nossa Via Láctea e contém cerca de 40 mil milhões de estrelas, em comparação com os 400 mil milhões da Via Láctea e 1 trilião de estrelas da Galáxia de Andrómeda.

Embora a galáxia Triangular seja um dos objetos permanentes mais distantes que podem ser avistados a olho nu, binóculos ou um pequeno telescópio irão ajudá-lo a ver o centro mais brilhante da galáxia. Para ver ainda mais detalhes, necessitará de equipamento e perícia astro-fotográfica - juntamente com um investimento significativo de tempo, a menos que utilize um telescópio inteligente como o Unistellar eVcope!

2. Galáxia NGC 891

Se tiver a oportunidade de ver a galáxia NGC 891, localizada na constelação Andrómeda, poderá reparar que lhe parece estranhamente familiar: a sua forma alongada assemelha-se fortemente à Via Láctea vista da Terra! A NGC 891 é tão parecida porque a vemos de borda a borda e não de cima ou de baixo. A nossa visão da Via Láctea é aproximadamente a mesma, uma vez que vivemos dentro do disco da galáxia. A NGC 891 é também uma galáxia em espiral como a nossa e tem dimensão e luminosidade semelhantes. Necessitará de telescópios de tamanho pequeno a moderado para discernir a fraca auréola de luz da galáxia, ou pode usar o eVescópio Unistellar para observar toda uma gama de detalhes coloridos.

3. Nebulosa de Dumbbell

A seguir temos a primeira nebulosa planetária jamais descoberta - a Nebulosa Dumbbell, também conhecida como M27, ou NGC 6853. Está localizada na constelação Vulpecula. A nebulosa tem a forma de uma esfera irregular cuja área mais brilhante se parece com uma maçã meia comida. Por esta razão, é por vezes chamada de Nebulosa com Núcleo da Maçã. A Nebulosa Dumbbell adapta-se muito bem a observações astronómicas amadoras - é relativamente brilhante e grande, pelo que será capaz de detetar a sua esfera ligeiramente esverdeada, mesmo com binóculos, num céu perfeitamente escuro.

4. Nebulosa do Anel

A Nebulosa do Anel (também conhecida por M57 ou NGC 6720) é a segunda nebulosa planetária alguma vez descoberta. Está localizada na constelação Lyra, a sul da estrela brilhante Vega. A forma redonda distinta da Nebulosa do Anel faz lembrar um anel ou um pãozinho, daí o seu nome. Esta nebulosa é também relativamente brilhante o que a torna um alvo popular para os astrónomos amadores. Contudo, é demasiado pequena para ser vista com binóculos, por isso preparem o vosso telescópio se quiserem observá-la.

5. Aglomerado Messier 92

Por último, mas não menos importante, temos o aglomerado de estrelas Messier 92 situado na constelação Hércules. Pertence à categoria dos aglomerados globulares - coleções esféricas de estrelas que são muito mais antigas e têm muito mais estrelas do que os aglomerados abertos. O Messier 92 é um dos aglomerados globulares mais antigos e brilhantes da Via Láctea e contém cerca de 330.000 estrelas. Pode observar o aglomerado com binóculos ou com um telescópio - ou mesmo a olho nu, se tiver sorte. E para aqueles que tiverem a sorte de possuir um eVcope, preparem-se para ficarem surpreendidos com o que vão ver!

Aproveite estes cinco objetos espetaculares do céu profundo que podem ser vistos em novembro. Desejamos-lhe céus limpos e feliz observação das estrelas!

Crédito Texto:
Crédito de imagem:Pixabay

Star Walk 2

Star Walk 2 logotipo
Baixar na loja de aplicativos
Obtê-lo no Google Play
Unistellar telescope