Os cometas mais brilhantes de 2020 e 2021

~4 min
Comet Neowise

Este ano, apesar de toda a turbulência, ainda foi um ano incrível para qualquer amante de cometas. No artigo de hoje, vamos falar sobre mais um cometa que você pode ver antes de o ano terminar, relembrar os cometas mais espetaculares de 2020 e fazer previsões sobre os cometas mais brilhantes de 2021.

Mais um cometa para 2020!

Como 2020 ainda não acabou, vamos começar com o cometa que você pode ver neste mês de dezembro. O C/2020 S3 (Erasmus) foi descoberto em 17 de setembro de 2020 pelo astrônomo sul-africano Nicolas Erasmus. É um cometa de longo período, com um período orbital de cerca de 1.800 anos. Quando o cometa chegou perto da Terra na última vez, dois milênios atrás, passou despercebido porque o telescópio ainda não tinha sido inventado.

Erasmus é um cometa bastante brilhante que pode atingir uma magnitude máxima de 5,7, mas você precisa se apressar se quiser avistá-lo. Em 12 de dezembro de 2020, o cometa alcançará o periélio – seu ponto mais próximo do Sol. Desse ponto em diante, não poderá mais ser observado, já que ficará obscurecido pelo brilho do Sol. Agora, você pode tentar detectar o C/2020 S3 (Erasmus) com um par de binóculos ou um telescópio pequeno. A maneira mais fácil de localizar o cometa é usar o aplicativo Star Walk 2: basta tocar no ícone da lupa e digitar “Erasmus” no campo de busca.

Na época do Natal, o cometa estará muito baixo no céu e não será observável do solo. No entanto, a sonda espacial SOHO (Solar Heliospheric Observatory) da NASA/ESA será capaz de assistir o Erasmus deixar a vizinhança do nosso planeta, pois o cometa entrará no campo de visão do coronógrafo LASCO C2 da SOHO.

Os três cometas mais marcantes de 2020

A rainha indiscutível entre os cometas de 2020 foi o C/2020 F3 (NEOWISE). Desde a sua descoberta, em março de 2020, cada vez mais observadores se interessaram pelo cometa, à medida que foi ficando mais brilhante e se aproximando mais da Terra. No decorrer de três meses, ele se iluminou da magnitude 17 para a magnitude 1 e foi claramente visível a olho nu. Como resultado, o cometa NEOWISE provavelmente se tornou um dos cometas mais fotografados da história. Se você também conseguiu tirar uma foto dele, pode se orgulhar, já que o NEOWISE só vai voltar daqui a quase 7.000 anos.

O próximo cometa mais brilhante foi o C/2020 F8 (SWAN), também descoberto em março de 2020. Com sua coma esverdeada e uma cauda de 10 milhões de milhas de comprimento, o cometa deu um baita show, especialmente para observadores do Hemisfério Sul. No fim de abril, ele brilhou no céu com uma magnitude de 5 e seu brilho foi intenso o suficiente para ser visto a olho nu. Infelizmente, logo depois disso, o brilho do cometa começou a diminuir, e ele até mesmo pareceu estar se desfazendo.

O terceiro lugar vai para o cometa de longo período C/2019 U6 (LEMMON). Ele foi descoberto pelo Mount Lemmon Survey em 31 de outubro de 2019. Em junho de 2020, o cometa atingiu uma magnitude visual de 6 e foi visível com binóculos ou até mesmo a olho nu em céus escuros limpos. Ele não foi tão brilhante quanto o cometa NEOWISE, mas ainda sim proporcionou uma vista deslumbrante para quem conseguiu encontrá-lo.

Cometas para ver em 2021

Aqui está uma breve lista dos próximos cometas que podem ser dignos da sua atenção no próximo ano.

Em junho de 2021, receberemos a visita do cometa de curto período 7P/Pons–Winnecke, que tem um período orbital de cerca de 6 anos. Esse cometa é conhecido há 200 anos, desde a sua descoberta em 1819 pelo astrônomo francês Jean Louis Pons. O 7P/Pons-Winnecke chegará bem perto da Terra (cerca de 0,44 UA) em junho, mas não será suficiente para torná-lo um objeto brilhante no nosso céu. Ele alcançará uma magnitude visual de cerca de 10 e será melhor visível através de telescópios do Hemisfério Sul.

Outro cometa de curto período, o 15P/Finlay, passará voando pelo nosso planeta em julho de 2021, iluminado até a magnitude de 10. Esse cometa foi descoberto em 1886 pelo astrônomo sul-africano William Henry Finlay. Uma curiosidade: de todos os cometas de curto período, o 15P/Finlay tem uma das menores distâncias mínimas de interseção orbital (MOID, no acrônimo em inglês) com a órbita da Terra. Em 2060, ele passará a cerca de 0,04 UA de nós, que é cerca de apenas 6,0 milhões de km. Essa será uma das passagens mais próximas de cometas em relação ao nosso planeta na história! Infelizmente, vamos ter que esperar um pouco (isso é um eufemismo).

Talvez você tenha ouvido falar deste último. Durante a famosa missão Rosetta, em 2014, o módulo de descida Philae pousou em um cometa pela primeira vez com sucesso. O cometa foi o 67P/Churyumov–Gerasimenko, que foi batizado em homenagem aos dois astrônomos soviéticos que o descobriram, em 1969: Klim Churyumov e Svetlana Gerasimenko. Esse cometa de curto período visitará a Terra no próximo ano e ficará mais perto de nós em novembro – a cerca de 0,41 UA de distância. A previsão é que ele alcançará a magnitude de 9 ou até mesmo de 8, o que o tornará visível através de binóculos.

Por ora, 2021 não parece muito promissor em termos de cometas superbrilhantes. Mas vamos esperar pelo melhor – em 2020, ninguém esperava que o NEOWISE fizesse uma aparição tão memorável. Continue olhando para o céu!

Atualizado em 16 de janeiro de 2021: Cometa Leonard

Um cometa não periódico recentemente descoberto, C/2021 A1 (Leonard), nos visitará até o final de 2021. Ele se aproximará mais da Terra e será mais visível no dia 12 de dezembro. De acordo com as estimativas, ele poderá brilhar até a magnitude de 1,5. Os observadores localizados nas latitudes médias do norte podem começar a procurar o cometa já em setembro, enquanto os observadores do hemisfério sul devem esperar até a segunda quinzena de dezembro. O cometa Leonard foi descoberto em 3 de janeiro de 2021 pelo astrônomo americano Gregory J. Leonard, no Observatório Mount Lemmon no Arizona, EUA. Você pode saber mais sobre o cometa em nosso artigo.

Crédito Texto:
Crédito de imagem:Alexander Andrews
Star Walk 2 logotipo

Star Walk 2

Baixar na loja de aplicativos
Obtê-lo no Google Play